quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Fechamento Setembro: R$ 6,590


Tudo bem... hoje ainda não é o último dia do mês. Mas decidi já fazer o fechamento do mês de setembro. Isso porque não vou movimentar minha carteira até o final do mês... nem comprar nem vender nada... e o rendimento desses dois dias que faltam não vai influenciar muita coisa. Então, já vou terminar o fechamento deste mês, de forma a deixar minha cabeça livre para pensar nos aportes do mês que vem.

Como vocês podem ver na imagem acima, o meu saldo dos investimentos ficou em R$ 6,590. Um almento de mais de 500 reais em relação ao mês anterior, o que foi um desempenho muito bom, considerando que o aporte este mês ficou em R$ 470.

Dessa forma, meu rendimento no mês foi de 1,7%; ou seja, bem acima da inflação (0,45% em agosto) e do CDI (1.11% ao mês). Grande parte desse resultado foi devido ao desempenho dos FIIs neste mês. Com a disparada do IFIX, meus FIIs de papel tiveram alta de 5,9%, e os de tijolo 2,5%, jogando meu desempenho consolidado para cima. Sei que essa alta, de certa forma é artificial, afinal os FIIs não são ativos com objetivo de venda ou resgate; portanto alta no valor da cota não influencia o rendimento dos FIIs que já tenho, além de dificultar a aquisição de novas cotas, por reduzir o DY (dividend yeld), que é a relação entre o rendimento e o preço de mercado da cota. 

Ainda assim, não resta dúvida de que é melhor um desempenho postivo do que um negativo; e os 1,7% líquido obtidos no mês, que correspondem a 153% do CDI, devem ser vistos positivamente - afinal sabemos que em investimentos existem até mesmo rendimentos negativos. 

Os FIIs, entretanto, representam apenas 30% da minha carteira - pois procuro seguir a máxima de deixar 30% da carteira em renda variável e 70% em renda fixa. Lembre que considero os FIIs de papel como renda fixa, afinal de contas nada mais são que fundos de CRI. 

Ainda assim, mais da metade da minha carteira é composta de CDB/LCI, que tiveram um desempenho apenas mediano esse mês: 0,9%; ou seja, 81% do CDI. Ao meu ver este rendimento está péssimo; e precisa de uma atitude de forma urgente. Sendo assim, vou fazer um grande giro de carteira, e trocar os CDBs por CRI, de forma que consiga, no mínimo, superar o CDI em termos de rentabilidade. Um CRI tem rendimento cerca de 1 a 2% superior ao de uma LCI, mas como desvantagem não possuem a proteção do FGC (fundo garantidor de crédito). Isso significa que se algum emissor der o calote, perco o dinheiro.

Continuo levando uma vida muito espartana, e o aporte de R$ 470 deste mês, mesmo sendo baixo, para mim tem sido um grande sacrifício de manter, pois correspondeu a 28% de minha renda nesse mês. Os gurus das finanças (Gustavo Cerbasi, Brian Tracy, Suze Orman) recomendam que se guarde no mínimo 10% de todos os seus ganhos líquidos. Minha economia, de 28%, está certamente bem acima disso, mas para manter um padrão tão elevado de economia estou vivendo uma vida de extrema frugalidade: não como nunca na rua (levo marmita de casa), uso apenas roupas compradas no sacolão, vou para o trabalho a pé para economizar no ônibus, e não compro nada para mim (como bolsas ou sapatos). Tenho apenas três pares de sapato, dois tênis, e duas sandálias. Um dos tênis está me machucando o pé, mas não jogo fora porque por fora ele está bom, e fico com dó de me desfazer. Também parei de cortar o cabelo no salão, pois tenho uma vizinha que corta para mim "pela amizade", e tenho feito a unha só em casa. O resultado da vida frugal está sendo gratificante: Meus investimentos já somam mais de 3x os meus vencimentos mensais, e continuam a crescer cada vez mais a passos largos.

Uma adição que fiz na planilha do ADP foram as colunas "% da IF" e "anos para a IF". Fico feliz em saber que já atingi 6% da independência financeira, e que só faltam 6 anos para que eu possa parar de trabalhar, se quiser - isso se mantiver os aportes no nível atual.

Manter os aportes no nível atual, por sinal, está sendo cada dia mais difícil. (lembre-se de que a planilha mostra os dados a partir de agosto apenas, mas comecei a investir em janeiro de 2016, oito meses antes do lançamento do Blog). Isso porque a vida espartana que eu levo está de certa forma acabando comigo por dentro; tenho tido sentimentos depressivos de forma recorrente; baixa auto estima; sensação de menos valia, inutilidade, e futilidade de economizar, ou da própria vida.

Quanto a esses sentimentos de futilidade da vida, tenho uma historia engraçada (pra não dizer tragicômica): hoje instalei um aplicativo do google no celular, chamado "Google Allo". Quando abri o aplicativo, apareceu um campo em que ele escreveu: "Pergunte qualquer coisa aqui!". Pois eu escrevi assim "What's the meaning of life?". E a resposta foi: "42?". Fala sério... parei de perguntar.  =^.^=


terça-feira, 27 de setembro de 2016

Chegando o final de setembro...



Vem chegando o fim do mês. Hora de direcionar os aportes. Como já estava ontem, hoje continuo com o que chamei de melancolia. Mas hoje está um pouco diferente, pois a melancolia está com um tiquinho de ansiedade. Vontade de gritar bem alto, sair correndo... mas correr para onde?

Se você gritasse,
se você gemesse
se você tocasse
a valsa vienense,
se você dormisse,
se você cansasse,
se você morresse...
Mas você não morre,
você é duro, José!

Sozinho no escuro
qual bicho-do-mato,
sem teogonia,
sem parede nua
para se encostar,
sem cavalo preto
que fuja a galope
você marcha, José!
José, para onde?
E mais uma vez, eu me sinto como o José... mas sigo marchando... E assim sigo meus investimentos. Me questiono cada vez mais até que ponto vale a pena continuar com isso; mas eu mal comecei?!

De qualquer forma, seguindo minha marcha ébria, preciso escolher aonde aportar esse mês. Depois de alguns meses de all-in em FIIs, simplesmente cansou. O IFIX subiu demais, tudo está caro; e estou cansada das incertezas e emoções causadas pelos fatos relevantes e vacâncias... Então vou dar um tempo em FII. Preciso de um pouco de paz para mim. Assim, me surgem algumas alternativas para o mês de setembro. Uma alternativa seria voltar a investir em LCIs... ou CDBs. Temos a LCI da companhia hipotecária brasileira, que continua com taxas escandalosas. Os bons e velhos CDBs 123%; sendo o do Modal o mais acessível... poderia também comprar debêntures no mercado secundário.. 

Este mês tenho uma quantidade grande para investir, pois vence um CDB de cerca de R$ 1000. Isso somado à minha previsão de aporte para esse mês de R$ 800, vai me dar mais ou menos uns R$ 1,800 para investir, o que é bastante para os meus padrões; os quais provavelmente vou investir em um CRI.

Vou, portanto, de renda fixa, aproveitar o último suspiro das taxas de juros antes da próxima reunião do COPOM, dia 19 de outubro, quando acredito que o Banco Central, pra "mostrar serviço", deva abaixar as taxas de juros 0,25 pontos.

Ao meu ver, as taxas vão continuar travadas em 14%, porque qualquer abaixada maior que isso da SELIC iria pressionar a inflação... afinal, não podemos esquecer que a inflação de 10% de 2015 só caiu devido à crise (os fundamentos continuam ruins), e qualquer melhora da recessão irá pressionar de novo o IPCA para cima.

Mas chega de economês. Não queremos que esse Blog se torne um relatório Focus né?

Hoje estava pensando sobre a independência financeira, e como lidar com ela. Após atingir essa independência (quando os rendimentos líquidos alcançaram o valor do seu salário), o que fazer? A melhor aproximação da fórmula para saber se atingiu a independência financeira pode ser assim, lembra?

A questão que me incomoda é: O que fazer quando você atingiu a IF? Parar de trabalhar? Viver uma vida com o dobro dos recursos?

Ainda não sei... e não quero pensar nisso agora.

Beijos! =^.^=

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Melancolia



Hoje, me sinto triste. Não sei bem por quê. Ainda assim, isso acontece comigo às vezes. Me faz lembrar de uma fala, da peça "O mercador de Veneza"...

"Não sei, realmente, porque estou tão triste. Isso me enfara; e a vós também, dissestes. Mas como começou essa tristeza, de que modo a adquiri, como me veio, onde nasceu, de que matéria é feita, ainda estou por saber. E de tal modo obtuso ela me deixa, que mui dificilmente me conheço."
 Sei que me vejo hoje, triste. Mas minha tristeza vive só dentro de mim. Porque preciso me mostrar forte, e ninguem aceitaria minha fraqueza. Talvez esse blog, portanto, seja uma forma de expor um pouco uma parte mais vulnerável de mim. Sei que isso nada tem a ver com finanças, mas, afinal de contas, qual é o objetivo deste blog, se não satisfazer à minha vaidade e desejos?

Dessa forma, hoje escrevo algo que pouco tem a ver com investimentos. A melancolia humana.

Melancolia.

Melancolia é um tipo de tristeza; mas não aquela tristeza motivada por algo ruim que realmente aconteceu. É a tristeza do mercador de veneza, aquela que a gente não sabe de onde veio... de que matéria é feita... ou de onde nasceu. 

Na melancolia, a gente acorda cedo, sem saber por quê. Caminha até o ponto de ônibus sem olhar para o lado... senta, ou fica em pé... sem perceber o tempo passar. E automaticamente descemos no nosso ponto, como se fosse a única escolha. Às vezes, se a melancolia estiver forte demais... deixamos o ponto passar. Mas no outro ponto já descemos,e caminhamos um pouco mais. Porque sentimos que realmente não há escolha. 

Estava escutando uma música esses dias, de um conjunto bem antigo, chamado ABBA... que de alguma forma pareceu ser a minha vida cantada. Vou colocar só uns pedaços da letra aqui...

O nome da música é "The Day Before you Came". 

I must have left my house at eight, because I always do
My train, I’m certain, left the station just when it was due
I must have read the morning paper going into town
And having gotten through the editorial, no doubt I must have frowned
I must have made my desk around a quarter after nine
With letters to be read, and heaps of papers waiting to be signed
I must have gone to lunch at half past twelve or so
The usual place, the usual bunch
And still on top of this I’m pretty sure it must have rained
The day before you came

I must have lit my seventh cigarette at half past two
And at the time I never even noticed I was blue
I must have kept on dragging through the business of the day
Without really knowing anything, I hid a part of me away
At five I must have left, there’s no exception to the rule
A matter of routine, I’ve done it ever since I finished school
The train back home again
Undoubtedly I must have read the evening paper then
Oh yes, I’m sure my life was well within it’s usual frame
The day before you came

Must have opened my front door at eight o’clock or so
And stopped along the way to buy some chinese food to go
I’m sure I had my dinner watching something on tv
There’s not, I think, a single episode of dallas that I didn’t see
I must have gone to bed around a quarter after ten
I need a lot of sleep, and so I like to be in bed by then I must have read a while
The latest one by marilyn french or something in that style
It’s funny, but I had no sense of living without aim
The day before you came

And turning out the light
I must have yawned and cuddled up for yet another night
And rattling on the roof I must have heard the sound of rain
The day before you came