terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Independência financeira: Não tem nada a ver com juntar ou ganhar dinheiro.


Com a evolução da internet, existe tanta informação disponível hoje sobre dinheiro e investimentos; existem corretoras e bancos online, home brokers, e tudo está acessível para o cidadão comum. Todas aquelas opções que até pouco tempo eram restritas para especialistas. Lendo os blogs de finanças, parece que todo mundo é um expert no mercado de fundos imobiliários e finanças... Todo mundo fica falando na tal independência financeira, e contando quanto tempo falta para se libertarem.

Mas... será que o dinheiro realmente liberta? Ou será que o dinheiro na verdade é que aprisiona e acorrenta essas pessoas que acreditam que o dinheiro as libertará?

Veja bem... quando essas pessoas dizem que o dinheiro irá libertá-las, elas descrevem o vilão como uma vida medíocre, um trabalho insuportável, um chefe chato, uma vida de restrições e consequente infelicidade. Elas acreditam, assim, que a liberdade e a felicidade será finalmente alcançada quando conseguirem juntar uma grande quantidade de dinheiro - o mítico "milhão" e seus consequentes dividendos mensais.

Eu e você queremos ter a nossa independência financeira. Mas... realmente faz sentido ficar juntando dinheiro para isso? Durante muito tempo fiz essa pergunta para mim mesma, e a cada vez mais me convenço de que a independência financeira não se consegue juntando mais dinheiro. Me convenço mais e mais que juntar dinheiro nos torna escravos dele, e nunca nos libertará.

Você já deve ter visto uma daquelas propagandas ou até ter recebido e-mails da Empiricus, prometendo a você mundos e fundos, dizendo que se usar a estratégia inédita deles irá transformar 30 reais em 1 milhão... e que assim finalmente conseguirá sua independência financeira, não é?

Imagem ilustrativa
Você acha que o erro da propaganda deles é a óbvia impossibilidade de conseguir essa milagrosa multiplicação do dinheiro? Errado. O erro da propaganda, é vender a nós a idéia de que conseguir uma grande quantidade de dinheiro nos deixaria feliz.

Cada vez que recebo um desses e-mails da Empiricus eu penso comigo mesma:

 "-Independência financeira? bem... eu já tenho a independência financeira."

Mas a minha independência financeira não parece nada com o que as propagandas da Empíricus me tenta vender, e nem com o que leio nos manjados e repetitivos blogs da finansfera. Independência financeira parece ser uma palavrinha mágica de toda uma legião de sonhadores. Um objetivo quase divino de dezenas de milhares de pseudo investidores. Tanta gente tentando melhorar sua vida financeira, o que é bom. A gente deve, claro, melhorar nossa vida financeira, a gente deve buscar crescer financeiramente. Infelizmente, eu percebo que a maioria dos contadores de centavos tem uma perspectiva errada sobre o que isso significa, e seguem em um caminho que nunca vai levar a uma verdadeira independência financeira.

Embora seja um objetivo de tanta gente, e apesar de eu ter passado muitas e muitas horas dos últimos 12 meses estudando sobre formas de investir e multiplicar o dinheiro, eu não tenho tanta certeza assim do que significa essa tal independência financeira - como dá pra perceber lendo meu blog.

O que é a independência financeira? Uma ilusão? Ela pode realmente ser alcançada?

Após muita reflexão e introspecção, hoje eu entendo que sim, é possível atingir a independência financeira.

Mas para minha - e sua - surpresa, não tem nada a ver com ganhar ou acumular dinheiro. Atingir a independência financeira significa outra coisa. Explico.

Vou repetir, pois creio que isso seja importante: Atingir a independência financeira não tem nada a ver com o quanto dinheiro você acumulou ou ganha.  Portanto, se você busca sua IF juntando dinheiro, é hora de repensar sua estratégia de forma drástica.

Eu imagino que você deva estar pensando: "-Michelle, você tá louca! Como pode dizer isso num blog de investimentos??". Mas é isso mesmo. A sua independência financeira não vem do seu exterior ou da quantidade de zeros de sua carteira, ela vem do seu interior, vem dos seus pensamentos, vem de dentro de você.  É por isso que você vai encontrar algumas pessoas extremamente felizes e satisfeitas, mesmo sem ter dinheiro algum (como por exemplo as tias da cantina ou zeladoras da escola), e também vai encontrar médicos e advogados de sucesso totalmente infelizes com sua relação com o dinheiro e a vida. 

Você conhece alguém que está satisfeito com sua vida mesmo sem ganhar muito dinheiro? Essas pessoas dizem que tem um bom emprego, uma boa família, que tem suas coisinhas e vivem bem com elas. Elas parecem estar em paz consigo mesmas. Todos nós conhecemos alguém assim. Talvez não sejam muitas pessoas, mas todo mundo conhece alguém assim. Estas pessoas atingiram a verdadeira independência financeira.

Você conhece alguém que só reclama da vida e se lamenta, e ganha mais que você? Talvez você mesmo seja assim? Gente que está acorrentado por sua relação com o dinheiro, tem dívidas, prestações, preocupações... a liberdade passa longe.

O fato é que existem pessoas que não tem nada e estão felizes; existem pessoas que tem muito e são infelizes. Portanto, o primeiro passo pra atingirmos a independência financeira é entender que se trata  mais de um ponto de vista em relação ao dinheiro, do que da quantidade de dinheiro que você tem

Se você quer atingir a independência financeira, precisa entender que ela se trata de uma postura, uma visão, uma interpretação do que é o dinheiro, e não do dinheiro em si.

Creio que essa primeira idéia já deixei bem clara. Então vamos à segunda pergunta: 
"- Se independência financeira não tem a ver com ganhar ou acumular dinheiro, quais são as atitudes que nos trazem a IF?"

Veja algumas idéias do que é a verdadeira independência financeira:

Eu não me preocupo mais com dinheiro - Você alguma vez já se permitiu não se preocupar com dinheiro? Você provavelmente deve pensar: "Se eu tivesse dinheiro, não precisaria me preocupar com isso ou com aquilo." Mas quer saber? Você não precisa se preocupar, de uma forma ou de outra! Você pode simplesmente optar por não ficar se preocupando com dinheiro. Você tem o suficiente para viver? Para ter uma boa qualidade de vida? Pra quê mais?  Veja bem: "preocupação" significa o seguinte: um mau uso da imaginação. É ficar imaginando coisas ruins antes delas acontecerem. Percebeu a morfologia da palavra? pré-ocupação. É o inverso de ressentimento (que é sentir o que já passou). Aquele que se preocupa, sofre antes de acontecer. O pior tipo de pessoa é aquele que se preocupa antes, sofre na hora, e se ressente depois. Você é essa pessoa? Se sim, você precisa se libertar, pois você vive o inferno aqui na terra. O inferno são os outros? O seu inferno nesse caso é você e seus pensamentos. Ficar imaginando situações que nem sequer aconteceram só nos deixa nervosos. Ficar preocupado se seu FII vai ter vacância, ou se sua ação vai cair ainda mais, isso é escravidão financeira, e não liberdade. Eu decidi não me incomodar mais com dinheiro, e não faço mais isso. Eu não me preocupo mais com dinheiro, e você deveria fazer o mesmo. Fiz uma severa realocação do meu portfolio, e todo tipo de investimento que eu tinha que me trazia ansiedade foi convertido para modalidades que só me trazem paz. Isso faz parte da liberdade.  O dinheiro serve para nos dar segurança e tranquilidade, e não ainda mais ansiedade. O juro do tesouro vai cair mais? Vai subir? A Caruanã vai quebrar? O Máxima vai quebrar? A Torre Almirante vai alugar? Vai ter revisional no NSLU? Como estão as taxas do intermedium? O grupo já tem 1 milhão? Aeroporto de Guarulhos tá quebrado? CEMIG vai ser privatizada? Passa carro na rodovia  Tietê? Revisional em SPTW? Olho no HB todos os dias? Gente... isso tudo é loucura. Liberdade e independência não é isso. A gente precisa realmente se libertar.

Eu conheço muitas pessoas com dinheiro, e algumas delas que enriqueceram depois. Posso dizer que nunca nenhuma delas veio e me disse: "Michelle... estou tão mais feliz agora que tenho dinheiro...". Isso simplesmente não acontece. Qualquer pessoa que acha que o dinheiro vai comprar felicidade, com certeza nunca teve dinheiro. Dinheiro não traz felicidade. Nem um pouco. Se você quer realmente atingir a independência financeira, precisa acreditar nisso, ou você corre o risco de passar uma vida de privações, e quando finalmente chegar lá, sofrer da síndrome do "Tá, e daí?". Isso não é liberdade. Nós podemos ser feliz independente de nosso status financeiro. Sua felicidade tem muito mais a ver com a qualidade dos seus relacionamentos, com o tipo de vida que você vive, a forma como você lida com seus problemas, é daí que vem a felicidade. Independência financeira não vem de uma conta gorda. Vem da forma de você encarar a vida. 

O dinheiro é um instrumento para seus objetivos, mas não pode ser o objetivo em si. Vejo muitas pessoas definirem uma meta sobre quanto dinheiro querem juntar para dizer que atingiram o seu objetivo. Pois eu digo: Se o objetivo for apenas o dinheiro, ele nunca será o suficiente. Veja: dinheiro não pode ser o "fim". Dinheiro tem que ser o "meio". Uma vez entrevistaram o multibilionário americano Rockfeller, que continuava investindo e empreendendo mesmo depois de já ter uma enorme fortuna; e perguntaram para ele "Quanto dinheiro é suficiente?". A resposta dele é curiosa: "-Só um pouquinho mais..."

Você acredita que sua independência financeira vai ser feita de dinheiro? Pois corre o risco de terminar como um certo blogueiro, que ao atingir sua independência fianceira, continua no mesmo emprego, e vivendo uma vida de pobre... infeliz, e suas maiores preocupações na vida continuam sendo as mesmas: Juntar mais dinheiro, e elminar os quilos extras da barriga. Quanto dinheiro seria suficiente para ele realmente ser feliz e se libertar? "Just a little bit more..."




 

32 comentários:

  1. Nossa... impactante...

    Bom, primeiro quero te dizer que você foi uma das inspiradoras da criação do meu site (www.mestrepoupador.com.br). Antes eu comentava aqui com meu nome verdadeiro, agora com o nome do meu site.

    Segundo, quero saber por que você sumiu da gente por tanto tempo!!!

    Terceiro, sobre a postagem:

    Há muita divergência no assunto: uns falam que o objetivo maior da vida é acumular patrimônio e ponto final, tem que passar por cima de tudo mesmo e o dinheiro é o que realmente importa. Outros já falam como você, o que importa é ser feliz.

    O que eu acho é que cada pessoa tem que refletir sobre o que é melhor para si mesmo: poupar aqui e gastar mais ali, economizar aqui e esbanjar ali, etc. Mas acho que a verdadeira Independência, seja ela verdadeira ou não, é sim a Felicidade.

    Bom, isso da um baita de um post.

    Bom retorno.

    Abraço.

    MP

    ResponderExcluir
  2. Bela reflexão gatinha! O dinheiro é só um meio para alcançar o estilo de vida desejado. Muitas pessoas esquecem de viver e se tornam obcecadas pela independência financeira. E se o foco é dinheiro, nunca o que já conquistou será o suficiente. Pessoas assim tem a ilusão de que deixaram a corrida dos ratos, mas não deixaram de fato... Apenas trocaram de patrão. Se antes era o chefe chato agora o patrão é o dinheiro. E nesta situação o dinheiro não perdoa e fará vc trabalhar duro para ele o tempo todo! O resumo da ópera é que a independência financeira (ou qualquer outro objetivo) precisar ter um sentido real para a sua vida. E o significado da independência financeira passa longe do dinheiro.

    ResponderExcluir
  3. Sumiu, Michele.
    Eu não tenho dinheiro e sou ansioso. Hoje mesmo eu estava dirigindo e pensando se eu morresse hoje, aos 33 anos, fudido e sem realizar nada. Sem um bom emprego, um casamento infeliz (boa parte da culpa é minha), frio com meus irmãos e pais, impaciente com as pessoas, etc. As vezes me pego pensando que o $ poderia resolver tudo isso, e boa parte dos meus problemas seria mesmo resolvida, mas eu continuaria infeliz. O problema esta em mim. Que foda...

    Caipira, pobre e feio.

    ResponderExcluir
  4. Muito interessante. Acompanho bastante a blogosfera em geral, e ultimamente tenho estado um tanto infeliz com tanto investimento e tanta espera pela IF que demora a chegar e requer grandes sacrificios. Isso gera uma bola de neve de preocupações que nós mesmos criamos, focando apenas num possível futuro que nem temos controle e deixando de lado viver o presente. Muito legal, obrigado e parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Olá Michelle, li seu texto e concordo em partes.

    Realmente a busca por dinheiro e somente isso não trás felicidade como vc falou. Como seus exemplos, existem pessoas que ganham muito mas não se sentem bem. Digo isso pelo meu trabalho.. eu amo voar, sempre sonhei em ser piloto e consegui chegar aonde queria, ainda não consegui o posto de "Comandante" mas não estou com pressa. Gosto do lugar que trabalho e dos benefícios que tenho, afinal.. viajar o mundo todo sem pagar nada é bom demais. Mas mesmo assim vejo Comandantes e até mesmo copilotos estressados e infelizes na profissão e até mesmo com a Empresa. Muitos estão indo voar fora do País atras dos gordos $$$ da China ou Emirados Árabes. Olhando suas vidas, eles têm um padrão excelente mas a velha vida brasileira.. se parar de trabalhar não conseguem manter o padrão e com isso vivem nesse dilema.

    Muitos tem casas de praia, serra, barcos etc e pra que? Quase não usam.. e ainda gastam horrores para manter isso, eu costumo dizer que prefiro ter uma renda por fora e alugar por temporada do que ter meu patrimônio preso e tendo despesas com algo que não posso usar sempre. Então tudo depende do seu modo de vida, das suas prioridades, de como vc quer viver.

    Eu gosto de me precaver, acho que não ter um plano caso algo grave realmente aconteça pode sim acabar com sua saúde física e mental, então por isso acho legal economizar e investir. Consigo viver bem sem esbanjar ou ostentar e fazer o famoso pé de meia. Afinal eu amo meu trabalho, mas não quero voar para sempre também, pois tem seu lado negativo como tudo. Minha aposentadoria está garantida, mas meu foco hoje é ter uma renda no curto prazo, para caso perca o emprego ( aqui entra seu dilema de sofrer antecipado rsrsrs ) possa sustentar minha família sem desespero.

    Dinheiro não é problema é solução, se todos tivessem educação financeira não existiria tanta pobreza. Se um jovem começa a investir desde cedo mesmo que pouco, sua velhice estará garantida e seu patrimônio passará para seus herdeiros e se esses conseguirem aprender com seus pais e também passar a seus decendentes, a família sempre irar prosperar!

    :)

    ResponderExcluir
  6. Olá Michelle,

    Concordo com a sua visão, mas eu me preocupo com dinheiro, pois eu preciso de dinheiro. Hoje é impossível viver sem. Vamos precisar diretamente ou indiretamente de grana.

    O que houve com você pela grande ausência?

    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Muito interessante a sua reflexão.
    Mas como quase tudo nessa vida, "a virtude está no meio".
    É óbvio que a atitude mental em relação ao dinheiro é parte importante, talvez a mais importante, quanto a tal IF.

    Mas ter dinheiro também tem grande relevância. Não adiante se achar feliz e achar que tem IF, com uma casinha alugada, sem pagar plano de saúde e ¨50 mil no banco. Nesse caso, a pessoa não obteve a IF. Ok, ela é (ou está) feliz. Que ótimo, muito melhor que muitas pessoas que são milionárias e não são felizes. Mas isso não muda o fato de que ela não tem IF, mesmo achando que tenha.

    Bem. Eu já obtive minha IF, há uns dois-três anos. Mas continuo trabalhando, em um emprego que eu gosto, mas é muito trabalhoso e mentalmente extenuante quando feito com seriedade.

    O grande "xis" que eu vejo é a coragem de dar o salto "para a liberdade". De ligar o foda-se. De encarar a família e amigos perguntando: mas você vive de quê? De conviver com a incerteza de precisar gastar uma fortuna em um tratamento de saúde, seu ou de uma pessoa amada, e a IF ir para o brejo, deixando você sem grana e sem emprego.

    Não chega a ser medo, mas é um receio estranho, um temor do inesperado, que tudo indica será prazeiroso, mas novo. É como estar perto de perder a virgindade. Você quer, sabe que pode fazê-lo com segurança, mas...



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre pensei nisso também, se um próximo governante confiscar TD, LCs, etc...se a hiperinflação voltar

      Excluir
  8. Olha, o post foi legal. Induziu a algumas reflexões interessantes.

    Mas para a maioria dos homens independência financeira tem a ver com a possibilidade de parar de de trabalhar pelo resto da vida e poder ter muitas aventuras, muitas namoradas( algumas vezes ao mesmo tempo)rssss.

    Por essas razões acima há tantos homens focados nisso. O mercado financeiro é famoso por ter muitas festas de arromba com muita luxúria. Para a maioria ter muito dinheiro significa poder comprar muitos prazeres.

    Abs,

    Sultão de Búzios

    ResponderExcluir
  9. Olá G.I, que bom que voltou a postar !!! você disse tudo, vou completar com o seguinte, viver uma vida minimalista, OK !! até ai tudo bem, mas viver de avareza é a pior coisa que pode acontecer, claro devemos nos preocupar no dia de amanhã, mas também temos que viver o hoje !! eu também não me preocupo muito com várias aplicações e investimentos, mesmo porque acho que a diferença de ganho por exemplo de renda fixa para FII é pouca !! se eu tivesse milhão, poderia repensar !!! é isso ai !! que vc volte a postar com mais frequencia

    ResponderExcluir
  10. Sua tese seria válida, se vivêssemos em um mundo com renda mínima universal, saúde, educação, alimentação e segurança para todos.

    Uma utopia socialista, basicamente.

    O mundo real -- principalmente o nosso país -- é extremamente desigual, hostil e infelizmente capitalista. Tudo custa dinheiro.

    Eu busco minha independência financeira para não ter que depender da minha filha me sustentar quando eu estiver velho. Vc deveria pensar nisso... Ser rico não é sempre uma busca pela futilidade, no meu caso, é por qualidade de vida e segurança.

    abs

    ResponderExcluir
  11. "-Michelle, você tá louca! Como pode dizer isso num blog de investimentos??"
    Independência financeira é quando seus rendimentos pagam as suas despesas mensais. Meus gastos mensais são de R$ 1700,00, então, se eu tiver R$300.000,00 na poupança, eu já tenho independência financeira, apesar de não ser feliz, não ser rica, não ser inteligente (dinheiro na poupança, né? me poupe!), não poder largar o meu trabalho e ter pensamentos suicidas. Uma coisa não tem nada a ver com a outra. Ter independềncia financeira não vai me fazer feliz, nem rica, nem realizada, nem bonita, nem magra, só vai fazer eu ter independência financeira. Não romantiza a independência financeira, gatinha!

    ResponderExcluir
  12. GI,

    É dinheiro pode não trazer felicidade .. nao necessariamente trará também rs ... melhor ser infeliz com dinheiro do que infeliz e pobre ... mas é melhor ser feliz . .rs ..

    Abs,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade dinheiro não traz felicidade, mas a falta de dinheiro com certeza provoca a infelicidade. Então é melhor garantir que não ocorra o segundo cenário.

      Excluir
  13. Pelas suas palavras, deu para sentir o tero meio amargo do desanimo com desabor de não ter realizado alguma meta, inicio de uma depressão, quem sabe?

    Dinheiro é importante sim, você vive em um mundo onde nada é de graça.

    Agora, até onde você iria por dinheiro?

    Para muitos essa simples pergunta, é insana, para outros, é apenas um "depende"...


    O segredo para ser feliz?

    Não siga gurus.
    Não coloque o dinheiro acima de sua moral.
    Não tente ser o que você não é.

    ResponderExcluir
  14. Olá, Gatinha! Eu estou em busca da IF; não da felicidade. Você esqueceu de mencionar que também existem pobres que são infelizes e ricos que são felizes. Eu pretendo ser um rico feliz, mas se isto não acontecer, serei um rico infeliz; melhor do que ser um pobre infeliz.

    ResponderExcluir
  15. Michelle, tenho pensado sobre isso também. É uma visão sábia sobre o dinheiro. Nosso tempo aqui nesta terra é limitado e não devemos viver como se certamente poderemos usufruir a bonança financeira trazia por uma bela economia. A gente pode aproveitar a vida agora e poupar para o amanhã ao mesmo tempo. Sem esperar muita coisa. A gente não precisa estudar tanto como obter um retorno maior. A gente estuda, ganha mais e aumenta o aporte se quiser. Quando comecei a estudar, pensei que o dinheiro seria pra mim. Agora, já com mais sabedoria, vejo que esse dinheiro irá para os meus filhos quando eles precisarem. Eu vou usufruir um pouco dali, um pouco daqui. Mas ao fim e ao cabo, o que importa é eu me sentir bem ao lado deles e com a segurança que eles poderão ter. Poupar não é uma má coisa. Viver para isso é. Visite o meu blog. Tem um texto chamado Sistemas vs. Objetivos. Acho que você vai gostar dele. Abraço.

    Maestro Investidor

    ResponderExcluir
  16. Você está confundindo IF com Felicidade. São palavras totalmente distintas. Segundo.

    ResponderExcluir
  17. Olá, seu texto foi excelente. É exatamente isto. Preocupação e depois ressentimento, muletas metafísicas.

    Você nota a prisão destas pessoas quando elas usam argumentos repetitivos no dia a dia como por exemplo "eu não me preocupo com X" mas está constantemente verificando a situação de "X". Ou quando dizem que fazem análise fundamentalista mas estão o tempo todo olhando cotações e isto, o preço, a impede de tomar a decisão. Ou o oposto, dizem fazer análise técnica mas se recusam a abrir/fechar uma posição devido a analise fundamentalista. Não há problema ser A ou B, mas o problema é não ser consistente com seu próprio plano.

    Outro ponto que identica estas pessoas, quando elas tomam uma decisão antes de qualquer coisa elas já montam um arsenal de defesas querendo justificar porque tomaram esta decisão. Seriam pessoas extremamente submissas que sentem prazer em reportar a todos? Seriam pessoas extremamente sem persoanlidade que não sabem tomar decisões?

    Creio que pessoas assim são este tipo de gente, não conseguiriam atingir a independência financeira nem com 100 bilhões de dólares porque não é o dinheiro, capital, que as prende. Mas seus próprios conceitos.

    Liberdade financera é realmente deixar de ser empregado por mais que você ame seu emprego. Será que você ama mais seu emprego que ficar estas 11 horas (almoço e deslocamento) com sua família? Será que você realmente ama mais seu emprego que dedicar estas demais horas para lazer, estudos, contato com pessoas realmente importantes em sua vida? Vida que passa muito rápido por sinal. Se você realmente achar algo mais importante que estas duas situações que citei, exceto claro se for um chamado divino para seguir um celibato, realmente você é uma pessoa doente. E acredite Michelle, muitos que conheço são assim.

    Em tempo antes de sair, o mítico milhão que você disse acho que quem tornou famoso foi o Silvio Santos e depois o Pobretão. E nesta briga de egos as pessoas não sabem sequer distinguir patrimônio bruto perante líquido, lucro no papel de lucro real. O "milhão" do Pobreta corrigido hoje apenas pelo IPCA seria 1,41 milhão de reais. Insuficiente para uma casa de qualiade em um condominio do interior de SP (local que eu vivo).

    Abraços, fico feliz por ter voltado a ativa.

    ResponderExcluir
  18. Uma frase somente basta: "O dinheiro vence tudo".

    ResponderExcluir
  19. fala GI, sumiu desse blog.
    Bem, permita-me discordar em parte do seu texto, acho que você parte da premissa da IF significar felicidade, ou ambos os conceitos se confundirem, o que não acho que seja verdade, de fato o dinheiro tem de ser "meio" e não o "fim", se eu tivesse que resumir uma IF em uma palavra, eu diria que ela é LIBERDADE, e ser livre nem sempre significa ser feliz. Você cita o exemplo das pessoas que pouco tem, mas são felizes, concordo que dê pra ser feliz tendo pouco, mas ter liberdade financeira, aí já é outra história, sem falar que se formos pegar o brasileiro médio, estaremos falando de alguém que é acomodado e não sabe quase nada sobre finanças, e não de uma pessoa que é feliz e se considere livre usufruindo do patrimônio que ela tem, tendo ela 1 milhão ou 1 bilhão, ou 200 mil, etc.
    É isso, abs.

    ResponderExcluir
  20. Ficou louca, que isso tia mi.

    ResponderExcluir
  21. Independência financeira está relacionada a não depender financeiramente dos outros mais, como seu emprego por exemplo, entendo o que você quis dizer com gente que acha que o dinheiro vai resolver todos os problemas, isto acontece até com gente que acha que vai mudar de namorado/emprego/carro e todos os problemas vão se resolver, o assunto é interessante, mas, desculpe a critíca acho que tinha que ser abordado de outra forma, tentar não relacionar dinheiro e IF ficou meio sem nexo.

    ResponderExcluir
  22. Olá garota...
    O que houve que sumiu, estava fazendo falta na blogosfera.
    Forte abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi... acho que esse ambiente é agressivo demais para mim... Talvez por isso nao tenham meninas na blogosfera. Tem excesso de briga, xingamentos, discussoes, nao tenho estrutura psicologica para lidar com isso nesse grau, entao melhor eu me retirar para meu canto mesmo, e lidar com minhas canetinhas e meus cortadores de papel de scrapbook... =^.^=

      Excluir
  23. Bom dia! Quando que você irá postar "o guia do ganhador da mega sena: parte II"?

    ResponderExcluir
  24. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  25. Independencia financeira tem tudo a ver com dinheiro, se nao tem a ver chamaria independencia espiritual!

    ResponderExcluir
  26. A redução ao absurdo do que você tá falando é aquela velha história de que a melhor forma de não se preocupar em pagar as contas da casa é virar mendigo.

    Quanto maior o patrimônio, quanto mais posses, maiores serão as responsabilidades sim... não tem como fugir disso. Agora se a responsabilidade de gerir um certo patrimônio causa preocupação, sofrimento e ressentimento, melhor continuar vivendo de salário em salário ou dependendo dos outros então. Tudo na vida tem seu trade-off.

    Acumular patrimônio e aprender a gerí-lo é uma das formas de depender menos dos outros (emprego, política, oscilações no mercado de trabalho, etc), mas nunca de depender menos do capital e do sistema financeiro. É uma forma de reduzir as incertezas, mas nunca eliminá-las. É uma forma de viver menos preocupado com qualquer coisa, menos com o próprio patrimônio.

    Concordo com você que não dá pra viver ansioso pelo dia da chegada da IF, mas só faz isso quem tem a visão distorcida e idealizada de que a vida pós-IF seria diferente da vida pré-IF (no sentido cotidiano). Esse pessoal não entende que a única forma de ser feliz é aprender a aproveitar a jornada, viver a vida pré-IF do mesmo jeito que seria a vida pós-IF, desenvolvendo hábitos saudáveis, aprendendo a ser feliz com o suficiente (até pra ter que juntar menos patrimônio e abreviar a fase de acumulação) e não se privando de nada que não seja realmente importante pra si mesmo.

    Agora, como saber quais são seus valores pessoais pra definir o que é e o que não é realmente importante pra si mesmo? Quem tem esse nível de maturidade e auto-conhecimento? Garanto que uma minoria, até mesmo entre o pessoal da nossa "finansfera"...

    ResponderExcluir
  27. adoro esses posts filosoficos. em primeiro lugar, estou com o rodolfo oshiro. em segundo, acho que vc está falando de paz interior ou paz de espírito, ou felicidade, que sao coisas independentes de IF. IF tem a ver com dinheiro e só, é matematica - preto no branco. Pra alcança-la precisa sim acumular algum dinheiro porem se alcançar a IF vai fazer alguem mais feliz ou não, aí só a pessoa pode dizer. Eu por exemplo se tivesse percebido há mais tempo que IF era factível teria me poupado muito sofrimento.

    ResponderExcluir
  28. Em um país aonde precisamos muito educação financeira precisamos incentivar exatamente o contrario juntar moedinha para nossa velhice para termos escolhas. O que acha não juntar moedinhas e apostar previdência social?

    ResponderExcluir